Capgemini promove exposição que retrata a dualidade do lixo eletrônico

| Press release
Mostra “e-lixo é lixo?” fomenta reflexão ao conduzir os visitantes por um caminho que desvenda as consequências do descarte inadequado e também a arte que pode existir a partir de componentes eletrônicos até então em desuso
Provocar conscientização sobre o descarte adequado do lixo eletrônico e, principalmente, acerca do consumo consciente, que é o ponto de partida de todo o processo.  Esse é o objetivo da exposição gratuita “e-lixo é lixo?”, idealizada pela Capgemini, um dos principais provedores globais de serviços de consultoria, tecnologia e terceirização. A iniciativa vai ao encontro da visão de sustentabilidade da empresa, que desde 2012 realiza a separação e o descarte de computadores e notebooks por meio da gestão de ativos.
 
O visitante confrontará ao mesmo tempo o belo e o sombrio: enquanto o belo conduz por um caminho entre esculturas produzidas com componentes eletrônicos em desuso, o sombrio revela as consequências do descarte inadequado desses materiais para o meio ambiente e também para as pessoas.
 
O Espaço Cultural Capgemini, que funciona dentro da própria companhia, no bairro de Alphaville, em Barueri (SP), apresentará reproduções fotográficas, vídeos e 34 esculturas assinadas pelos artistas Armando Oliveira Bastos (Caucaia-CE), Christian Pierini (Rio de Janeiro-RJ), Gilberto Vieira Mendes (São José dos Campos-SP) e Jota Azevedo (Jaboatão dos Guararapes-PE).
 
Confeccionadas com itens como discos de mainframe, disquetes, baterias e CDs, as obras transformam em arte materiais que seriam descartados. Haverá ainda uma obra coletiva, composta por componentes descartados por funcionários da empresa.
 
A exposição está aberta ao público aos sábados e domingos, das 10 às 16 horas.
 
Além de suscitar a conscientização de práticas responsáveis no descarte de lixo eletrônico, a exposição destaca-se pela interatividade. Por meio de “QR Codes”, códigos de barras em 2D que são escaneados por celulares com câmera fotográfica, os visitantes terão acesso a informações adicionais sobre a quantidade de lixo eletrônico produzida no mundo e locais para descarte de materiais eletroeletrônicos.
 
Entre as obras, estão robôs, motos, aviões, pássaros, onça, tigre e escorpião, além de retratos de Jimi Hendrix, Amy Winehouse, Renato Russo e Frankstein. Ao fim da temporada, a exposição será doada para entidade para que seu ciclo de vida possa ser estendido e para que seja apreciada por um número maior de pessoas.
 
No website da companhia (www.br.capgemini.com/espaco-cultural-capgemini) é possível acessar mais detalhes sobre a exposição, informações sobre as obras e os artistas participantes.
 
Os visitantes que quiserem registrar de forma divertida a sua estada na exposição poderão fazê-la por meio do totem interativo do Espaço Cultural Capgemini. O equipamento permite tirar fotos e criar montagens personalizadas, que são publicadas automaticamente na página da Capgemini no Facebook.
 
Campanha
A Capgemini realiza a separação e o descarte de computadores e notebooks, por meio do acompanhamento do ciclo de vida dos componentes, desde o planejamento de compra e a vida útil até o descarte, feito por profissionais da empresa em Alphaville (SP), Brasília, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Salvador. A companhia, inclusive, possui a certificação ISO 14001.
 
“A base conceitual dessa exposição é a dualidade. A primeira parte da exposição chama a atenção dos visitantes para o belo, o lixo transforma-se em arte. Já o ambiente sombrio instiga o indivíduo à ação, com fatos e imagens reais. A sustentabilidade já é parte integrante do discurso de todos, porém quando se fala em ações, nosso dedo está sempre apontado para o outro. Mais do que conscientizar os visitantes, nossa ambição é que essa mostra promova a mobilização individual e imediata”, afirma a diretora de Marketing e Comunicação da Capgemini, Sirlene Cavaliere.
 
De acordo com um estudo realizado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), aproximadamente 40 milhões de toneladas de lixo eletrônico são produzidas todos os anos. O descarte envolve vários tipos de equipamentos, como geladeiras, máquinas de lavar roupa, televisões, celulares e computadores. Países desenvolvidos enviam 80% do seu lixo eletrônico para ser reciclado em nações em desenvolvimento, como China, Índia, Gana e Nigéria. Muitas vezes, as remessas são ilegais e recicladas por trabalhadores informais.
 
Espaço Cultural Capgemini
Inaugurado em 2013, com uma área de cerca de 120 m² e recursos multimídia de última geração, o Espaço Cultural Capgemini foi concebido para abrigar exposições relacionadas a educação e cultura. Dessa forma, além dos funcionários da companhia e seus familiares, universitários e a comunidade em geral têm a oportunidade de conhecer e interagir com diferentes expressões culturais a partir de seu relacionamento com a companhia.
 
Serviço
Exposição e-lixo é lixo?
Entrada gratuita
Horário: sábados e domingos, das 10 às 16 horas (até 31/1/15)
Local: Capgemini – prédio Alpha I – Alameda Araguaia, 1.930 – Alphaville – Barueri – SP. Estacionamento: Capgemini – prédio Alpha II – Alameda Araguaia, 2.096
Website: www.br.capgemini.com/espaco-cultural-capgemini
Para agendar visitas em grupos: espacocultural.br@capgemini.com