Estudo da Capgemini revela que varejistas têm dificuldade para planejar adequadamente a capacidade de cadeias de suprimentos

| Press release
Segundo gerentes do segmento, problemas impactaram negativamente a receita ou os lucros; 9 entre 10 consumidores pretendem comprar em outro estabelecimento, caso o item não esteja disponível no estoque ou haja problemas no processamento dos pedidos
Apesar do aumento das expectativas do consumidor pela entrega de seus pedidos dentro do prazo e por produtos sempre disponíveis em estoque, 83% dos gerentes de cadeias de suprimentos dos EUA acreditam que planejar adequadamente a capacidade de abastecimento para atender à demanda nos períodos de pico e às flutuações pontuais, inclusive na época de Natal, é um desafio. Esse é um dos principais resultados do estudo O Impacto da Cadeia de Suprimentos (Supply Chain Impact, em inglês), encomendado pela Capgemini, um dos principais provedores globais de serviços de consultoria, tecnologia e terceirização.
 
A pesquisa foi conduzida pela KRC Research de forma on-line, em outubro de 2013, com dois públicos: mil consumidores e 150 gerentes de suprimentos de empresas de varejo, produtos de consumo e distribuição dos EUA com receita mundial acima de 1 bilhão de dólares.
 
De acordo com o relatório, apenas 21% dos gerentes pesquisados dizem que seus sistemas fornecem informações precisas em tempo real sobre o desempenho da cadeia de suprimentos. Mesmo assim, é evidente o impacto causado pela falta de itens no estoque e problemas no processamento dos pedidos:
 
·         89% dos consumidores dos EUA afirmam que passarão a comprar em outra loja, se algum item for entregue com atraso;
·           73% comprariam em um estabelecimento diferente daquele em que pretendem comprar, caso o item que desejam não estivesse disponível no estoque neste Natal, e 29% optariam por não adquirir o item;
·           mais da metade dos gerentes das cadeias de suprimento dos EUA (54%) admitem que problemas na área impactaram negativamente a receita ou os lucros da empresa nos últimos anos.
 
Entre os principais desafios para que o funcionamento da cadeia de suprimentos seja perfeito, o maior é possuir os processos certos para atender à volátil demanda do consumidor em tempo real, o que continua sendo uma batalha para a grande maioria dos gerentes de suprimentos (86%). Quase todos dizem que encontrar o talento certo, com as competências analíticas (89%) ou o conhecimento funcional (85%) necessário para a gestão dessa cadeia e a obtenção de informações relacionadas é um problema em suas empresas.
 
Outros desafios importantes são:
  • pressão dos superiores para reduzir os custos e otimizar o capital de giro de forma contínua (87%);
  • visibilidade e coordenação por toda a cadeia de suprimentos (84%);
  • falta de integração das cadeias de suprimentos em canais múltiplos, na loja física e on-line (67%).
 
Neste ano, a Shop.org estima que o volume das vendas on-line crescerá entre 13% e 15% no Natal, em relação a 2012, para 82 bilhões de dólares. Além disso, a Federação Nacional de Empresas de Varejo prevê que as vendas no período crescerão 3,9%, para 602,1 bilhões de dólares em 2013, acima do crescimento de 3,5% verificado nas vendas de Natal de 2012.
 
Com o crescimento previsto das vendas de Natal, a pesquisa revela algumas das maiores frustrações dos consumidores ao comprarem nessa época, que incluem a entrega de produtos errados (95%), o atraso na entrega (93%) e a falta do produto no estoque (82%). A maioria dos gerentes de suprimentos (80%) reconhece que as expectativas do consumidor por uma entrega perfeita e pontual dos seus produtos aumentou nos últimos cinco anos. Ainda assim, quase um terço (31%) dos responsáveis pelas cadeias de suprimentos acredita que os diretores de suas empresas não estão preocupados com o impacto causado na receita ou na lucratividade, pelos problemas que ocorrem na área durante o período.
 
“A pesquisa questiona a capacidade das empresas multinacionais de grande porte de adaptarem os processos de sua cadeia de suprimentos para prever e administrar a pressão existente nas épocas tradicionais de compras, como a do Natal, inclusive a necessidade de manter os itens certos no estoque e entregar produtos dentro do prazo”, explica o vice-presidente sênior e líder de Produtos de Consumo e Varejo da divisão de Business Process Outsourcing da Capgemini, Paul Cole. “À medida que a cadeia de suprimentos fica mais complexa e os consumidores se tornam mais exigentes, os executivos e gerentes das empresas estão se sentindo cada vez mais pressionados a melhorar sua visibilidade operacional e sua capacidade de atender à demanda do mercado.”
 
Para atender às expectativas cada vez maiores dos consumidores em relação ao processamento perfeito dos pedidos, a prioridade dos gerentes de suprimentos para o próximo ano é aumentar a capacitação e as competências das pessoas responsáveis pelos processos da área (65%). Outras prioridades para 2014 incluem a adoção dos melhores processos para aumentar os resultados específicos do negócio (55%) e utilizar mais eficientemente os dados e a modelagem analítica para melhorar a resposta da cadeia de suprimento à demanda do consumidor (54%). De acordo com Cole, essas duas tendências, quando analisadas em conjunto, definem a necessidade das empresas de produtos de consumo de se transformarem em “empresas voltadas à demanda”, para vencerem nas prateleiras.
 
Para visualizar o estudo completo, acesse https://www.capgemini.com/supply-chain-management/supply-chain-management-bpo.