Pesquisa da Capgemini revela que 68% das empresas estão com suas operações de negócio em risco por não possuírem uma estratégia de IoT

| Press release
Transformação digital continua ditando a estratégia de TI e pressionando cada vez mais as áreas de garantia de qualidade e testes a gerarem valor para o cliente final e competitividade para as empresas

A Capgemini, um dos líderes globais em serviços de consultoria, tecnologia e terceirização, e a Sogeti, sua subsidiária de serviços de tecnologia e engenharia, lançam o Relatório Mundial sobre Qualidade 2016 (World Quality Report), publicado em conjunto com a Hewlett Packard Enterprise (HPE). O levantamento, que examina a qualidade das aplicações e dos testes em diversos setores em 32 países, revela que apesar de 85% das empresas alegarem que utilizam IoT (Internet of Things, da sigla em inglês) em suas operações, mais de dois terços (68%) dessas organizações não possuem uma estratégia de teste voltada a IoT. 

As empresas, pressionadas para implementar novos produtos e serviços digitais, acham difícil encontrar um equilíbrio entre qualidade e velocidade de desenvolvimento, principalmente quando se trata de IoT. A parcela do orçamento deste ano dedicada à garantia da qualidade (QA) e aos testes caiu 31%, após um aumento significativo e preocupante de 18% para 35% durante os anos anteriores. Apesar da redução registrada neste ano, a previsão geral é que os gastos aumentarão para 40% em 2019.  

Garantia da qualidade e testes contribuirão para o ganho de eficiência e para manter os custos baixos

O Relatório Mundial sobre Qualidade deste ano revela que muitas empresas estão adotando máquinas inteligentes para cortar custos e gerar eficiência. A crescente adoção de tecnologias digitais está consumindo grande parte do orçamento, e as empresas estão tendo dificuldade para equilibrar a inovação e o custo, sendo que 48% não estão conseguindo atender às necessidades conflitantes que surgem quando administram vários ambientes de teste. Para combater essa dificuldade, o relatório aponta para a necessidade de investir mais na garantia da qualidade baseada em inteligência para identificar e prever problemas de qualidade antes que ocorram. 

A adoção de testes ágeis e do DevOps continua crescendo

O relatório deste ano também revela um aumento na adoção de metodologias de teste ágeis e de DevOps para

ajudar as empresas a lançarem novos produtos e serviços mais rapidamente. Porém, 44% delas estão relutantes em envolver as equipes de teste na fase inicial do planejamento, acreditando que isso inibirá a velocidade, inadvertidamente colocando a segurança da empresa em risco. O levantamento mostra que os desafios de implementação de DevOps vão muito além de questões ligadas à garantia de qualidade e riscos ao negócio, e que, caso não seja possível quebrar os silos criados pelas unidades de negócios, os benefícios do DevOps são reduzidos. Em uma tentativa de equilibrar os custos adicionais dessas novas tecnologias, 40% das empresas estão adotando análises preditivas para automatizar o processo de teste o máximo possível. 

“O Relatório Mundial sobre Qualidade mostra que as empresas devem, cada vez mais, adotar uma abordagem estratégica e madura em relação à garantia da qualidade e aos testes. A transformação digital oferece uma enorme oportunidade de crescimento, que só pode ser aproveitada se o engajamento entre o cliente e outros stakeholders for melhorado de forma ativa. As empresas devem ser proativas na tarefa de eliminar os gargalos existentes entre o negócio, o desenvolvimento, a qualidade e as operações, usando testes ágeis e DevOps para priorizar a geração de valor para o cliente e a relevância para o negócio. Para manter uma margem competitiva, os departamentos de teste e garantia da qualidade devem se voltar à automação do ecossistema, à  análise preditiva e às atividades de teste baseadas na inteligência, para poderem garantir resultados para o negócio”, comenta o membro do comitê executivo do grupo e líder da linha global de serviços de testes do Grupo Capgemini, Hans van Waayenburg.

“Como nossas interações e relacionamentos estão sendo baseados em softwares, o foco dos testes passou a ser a experiência completa do cliente”, explica Raffi Margaliot, vice-presidente e gerente geral de gestão de entrega de aplicativos da HPE Software. “O relatório desse ano destaca que a segurança, a experiência do cliente e a qualidade são mais importantes do que nunca. Esses elementos são fundamentais para garantir que as organizações obtenham a velocidade e alcance necessários para terem sucesso".  

À medida que cresce a importância do papel da internet das coisas para as operações do negócio, todas as empresas devem adotar uma estratégia baseada em riscos, que crie um ecossistema de testes seguros. Para isso, o relatório recomenda que invistam em soluções as-a-service (como serviço) para a gestão do ambiente, gestão dos dados e execução dos testes, bem como níveis superiores de engenharia em suas equipes, para que possam manter a integridade do sistema e impulsionar a inovação.

Metodologia de pesquisa

O Relatório Mundial sobre Qualidade, que neste ano entrevistou 1.600 pesquisados de 32 países, é o único relatório global que analisa as tendências da área de qualidade e testes de aplicações. Elaborado anualmente desde 2009, e hoje em sua 8ª edição, o relatório de 2016 adotou o método de coleta de dados via web e por telefone. Baseado na análise das respostas de seis grupos (CIOs, VPs de aplicações, diretores de TI, gerentes de testes e garantia da qualidade, CDO/CMO e CTO/ líderes de produtos), o relatório entrevistou executivos de todo o mundo por meio de questões quantitativas seguidas de discussões qualitativas.

Outras informações

Para baixar uma cópia integral do Relatório Mundial sobre Qualidade 2016, acesse www.worldqualityreport.com